Jornal O Debate

Informação com Credibilidade

São-manuelense Emílio Surita iniciou a carreira de radialista na Rádio Clube de São Manuel

Antônio Emílio Sáenz Surita é o Emílio Surita do programa: “Pânico”. Ele nasceu em São Manuel, interior de São Paulo, em 17 de agosto de 1961. Ele é radialista e apresentador de televisão.

Tendo concluído o curso de Direito, não quis exercer a profissão. Mesmo formado, preferiu trabalhar em boates e em rádio, como DJ. Sua carreira artística começou na Rádio Clube AM de São Manuel. Moço muito inteligente, logo fez contato com a Rede Globo e com o jornalismo dela. Começou a sonhar em mudar-se para o sul, o que logo aconteceu. Começou a exercer a função de jornalista. Mas tinha outro amor: o futebol. Ele jogou na Seleção Brasileira de Futebol Sub-23, quando estava com apenas 17 anos.

Surita concluiu o curso de Direito, mas jamais quis ser advogado. Iniciou sua vida no rádio na Rádio Clube AM de São Manuel. Dessa experiência, surgiu a oportunidade de trabalhar como jornalista na Rede Globo de Televisão. Em 1983, entrou para a Rádio Bandeirantes FM de São Paulo. Apresentou programas jovens (Batalha do Amor, 1987), de videoclipes (Superspecial, em 1984) ou de prêmios (Batalha 85, ao lado de Cristina Prochaska) na Rede Bandeirantes, além de fazer a cobertura de bailes de Carnaval para a emissora da família Saad no final dos anos 1980. Nos anos 90 também foi apresentador do programa Siga Bem Caminhoneiro, no SBT. Por 20 anos, Emílio Surita esteve a serviço quase exclusivo de programas de rádio com segmentos de música, humor e entrevistas da Jovem Pan.

Desde 1993 comanda o Pânico na rádio (que é o embrião do Pânico na TV). Surita busca encontrar pessoas capazes de alavancar a audiência. Seu programa de rádio conta com entradas ao vivo de funcionários da Jovem Pan, além de ex-ouvintes.

Trabalhou também como apresentador do programa de vendas de produtos TV Mappin, Emílio teve rápidas passagens pela extinta Rede Manchete, em um programa jovem que tinha como coapresentadores Tim Rescala, Patrícia Pillar e João Kléber, pela Rede Bandeirantes em um programa parecido (só que em voo solo), pela Rede Record e pela Rede Globo, no programa Caldeirão do Huck.

Em 28 de setembro de 2003 convocou um grupo de rapazes com escassa experiência em TV, montou um cenário de cinco mil reais, encaixou-se na grade da quinta rede de TV do país (RedeTV!) e foi disputar a audiência das tardes de domingo. Em um ano, o programa Pânico na TV tornou-se um dos mais bem-sucedidos programas dos últimos tempos nos anos 2000. Passou a alcançar média de sete pontos no Ibope e picos de treze pontos. Em 2012, Emílio trocou de emissora, passando a ser apresentador e narrador do Pânico na Band até 2017.

Hoje o programa vai ao ar de segunda a sexta-feira ao meio dia na Rádio Jovem Pan FM e continua sendo sucesso de audiência em todo o Brasil.