Jornal O Debate

Informação com Credibilidade

São-manuelense ganha concurso literário

Conto “Cor de pele é toda cor” será publicado em obra antológica

Em novembro do ano passado, a editora independente Cartola, da capital paulista, promoveu o concurso literário “(Re)Existência”, projeto este voltado apenas a autores negros que sejam nascidos e residentes no Brasil.

A jornalista são-manuelense Flávia Stopa está entre os 30 selecionados que comporão a obra, cuja previsão de lançamento será no mês de junho deste ano. De acordo com os realizadores, foram enviados mais de 200 textos, de pessoas de todo o país. A coletânea de contos será organizada pela autora Meg Mendes.

Flávia formou-se em jornalismo, em 2018, na Universidade do Sagrado Coração, em Bauru. Desde pequena, sua mãe, Catarina, ensinou a leitura antes mesmo de ingressar na escola. “Buscávamos livros na Biblioteca da cidade pra treinar em casa.

Eu costumava procurar estilos de literatura diversos tanto nacionais quanto internacionais, mas meus favoritos da infância sempre foram livros de fantasia. Com o passar do tempo, comecei a me interessar muito por poesia, contos e biografias”, conta.

Engana-se quem pensa que este é o primeiro concurso que a escritora vence. “Já venci concursos de escrita desde muito pequena nas escolas que frequentava, mas o primeiro concurso mais relevante que eu venci foi o I Concurso de Poesia ‘Zilda Bugari’ promovido pela Biblioteca Municipal de São Manuel, em 2016 com o poema “Obrigado, Racista”, que tratava de dados sobre o Racismo. Com esta poesia também venci, no mesmo ano, a Primeira fase de um concurso promovido pelo PROAC – SP, concorrendo com poetas do estado todo”.

Sua ambição é ainda maior. Dentre os vários projetos que a jovem possui, destaca-se um livro de sua total autoria. Ela adianta: “Penso em reunir meus textos sobre relacionamentos entre as pessoas, sejam eles românticos, familiares ou de outros círculos. Algo na linha dos textos do Leonardo Santarolli e AKA Poeta. Mas também desejo fazer algo mais jornalístico com relatos de pessoas sobre desigualdade social, mais ou menos como a Jornalista Eliane Brum faz”.

Por fim, Flávia ainda deixa uma mensagem aos leitores: “Gostaria de incentivar à todos que gostam de escrever, que não desistam. Não importa de onde você é, ou qual a cor da sua pele ou sua posição financeira, se você gosta do que faz, vale à pena lutar por isso. Invista em ler mais e aprender o máximo que você pode, pra sempre aperfeiçoar seus textos. Outra dica é: não tenha medo de participar de concursos de textos, eu aprendi muito com os oncursos que não ganhei. E não tenha medo de ouvir críticas, vezes a gente acerta, vezes erra e tudo bem. O importante é não desistir”.