A VIDA TEM CORES

Por Gilberto Wiesel

A vida tem cores que por vezes não percebemos, tem sons que nem sempre ouvimos, tem sabores que não provamos, armadilhas que nós mesmos armamos, e caminhos, muitos caminhos, que ainda não percorremos.

Falta-nos tempo para apreciar os detalhes. Assim deixamos o tempo, precioso tempo, escorrer pelos dedos da mão.

Filhos que crescem e não percebemos, amores que vão se desfazendo, caindo na rotina massacrante, e não nos damos por conta.

Envelhecemos e abandonamos nossos sonhos, passamos pela vida e reclamamos. Um ano começa e quando vemos, já acabou sem ao menos termos vivido.

Nossas orações são ladainhas repetidas, expressões vazias da nossa desilusão. Deus no trono distante, nós na terra errantes.

Não há mais tempo para a vida, apenas para os compromissos inadiáveis da nossa agonia. Somos empurrados pelo consumismo, somos esmagados pelas dívidas, pelo preço de viver.

Na luta diária pela sobrevivência não há tempo: Para poesia, flores, sentar no chão, andar descalço, comer com a mão, namorar na praça, andar sem direção, ter com Deus uma comunhão.

Estamos fugindo do encontro crucial entre nós e os nossos sonhos, entre o que queremos e o que não temos, entre o que imaginamos e o que é. E fica no ar a pergunta…

PARA ONDE VAMOS?
Abraços e sucesso!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *