Projeto Pé de Amor

“As crianças não possuem sapato, andam descalças, sem proteção nos pés e sem nenhuma higiene. Os pés ficam cheios de parasitose, infecções com inúmeros bichinhos que comem seus dedinhos, que acabam necrosando e tem que ser amputados”

O casal Mariana Caglioni e Guilherme Matiazi sempre tiveram a intenção de participar de trabalhos voluntários do Projeto Fraternidade sem Fronteiras, o qual já conheciam muito, devido a amiga Eliana Simioni que já participa há algum tempo. “Nós queríamos muito conhecer esse projeto, mas como voluntários, temos que ir por conta própria. Para nós dois irmos, sairia muito caro, então o Guilherme como dentista, em maio de 2018, embargou na Caravana da Fronteira da Fraternidade e junto com médicos, e pessoas que participariam como apoio. Lá ele ficou por 16 dias, ajudando, trabalhando e conhecendo o projeto. As caravanas quando chegam, montam Campos da Paz, onde oferecem refeição, dão banho, dão orientações sobre higiene, pois lá não existe higiene e nem saneamento”, conta Mariana.

Quando Guilherme voltou da viagem e depois de tudo o que viu, conheceu e participou, o casal resolveu idealizar um projeto para calçar as crianças. O Projeto Pé de Amor é uma iniciativa da Chantall, idealizada pela Mariana Caglioni, e seu marido, o Dr. Guilherme Matiazi Vaz. Eles conheceram a realidade das crianças que moram na ilha de Madagascar, na África, e ficaram perplexos com isso. De pronto, decidiram realizar um bem maior, conectando pessoas e fazendo o bem.

“As crianças não possuem sapato, andam descalças, sem proteção nos pés e sem nenhuma higiene. Os pés ficam cheios de parasitoses, infecções com inúmeros bichinhos que comem seus dedinhos, que acabam necrosando e tem que ser amputados”, conta Mariana com muita tristeza ao vislumbrar a cena.

Por ser designer de calçados, Mariana, resolveu criar um sapatinho que pudesse ser usado pelas crianças de Madagascar. Um sapatinho que protegesse seus pezinhos e que durasse bastante. E que foi batizado como “Pé de Amor”!

“Durante meses, idealizei o sapato junto com alguns designers de Jaú, e finalmente encontra- mos a solução. Criamos um sapatinho regulável do número 27 ao 37. O sapato vai aumentando de acordo com o crescimento do pé da criança”, conta a designer.

Depois de um vídeo feito pelo casal e divulgado nas redes sociais, o filme viralizou. Pessoas de todos os Estados do Brasil começaram a entrar em contato com eles para saber como ajudar.

Com toda ajuda que receberam, a 1ª remessa de sapatinhos já estão prontos para serem enviados, são 1.800 pares, que farão a diferença nos pezinhos das crianças de Madagascar. E a 2ª remessa já está em andamento.

Para quem deseja e puder contribuir de alguma forma entre em contato com a Mariana através do WhatsApp (14) 99111-9118.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *