“Quem não se comunica, se trumbica”

5 de abril de 2019 0 Por Jornal O Debate

É de José Abelardo Barbosa de Medeiros, o eterno Chacrinha, a frase que mais faz sentido no atual momento do nosso país, “Quem não se comunica, se trumbica”.

Dialogar, conversar, ou até mesmo debater os mais diversos assuntos de forma construtiva, faz parte de um processo de comunicação entre as pessoas.

Atualmente fala-se tanto na sociabilidade, nos trabalhos não mais individuais, mas em equipe, na cooperação e na convivência relacional, mas está claro que nunca existiu um outro momento na história onde se privilegia tanto o individualismo, fazendo-se a marca das organizações, nas cobranças de resultados individuais a qualquer preço. Pessoas estão se tornando cada vez mais robotizadas, apáticas, ausentes de si mesmas, sufocadas pelo ambiente onde são impedidas de expressar sua própria identidade, seus valores, seus princípios de autenticidade do Ser.

A história demonstra que a única possibilidade de a humanidade progredir é partilhando momentos relacionais ocasionados pelo diálogo, sendo a premência da socialização humana. Representado primeiro por Sócrates, e depois em Platão, dialogo é o processo debusca da verdade. O filosofo grego Platão acreditava que o dialogo era única maneira de descobrir a própria alma com tudo aquilo de valedouro e magnifico que cada um tem em si.

Torna-se evidente que se não existir uma outra pessoa para dialogar, não existe a discussão, entravando o pensamento e, não havendo pensamento passa-se a dominar a ignorância, marco fundamental da escravidão social.

O diálogo é uma forma que podemos lançar mão em nossas relações. Falando assim parece simples, comum e fácil. Mas na prática do dia a dia em nossas relações nem sempre
o diálogo é algo fácil de ser estabelecido e acabamos nos comunicando e/ou expressando nossos sentimentos através de atitudes ou qualquer outra maneira. Nem sempre aprendemos a conversar e nem sempre sabemos que a conversa entre duas ou mais pessoas pode ser a solução de muitos conflitos.

Ainda mais hoje em dia, diante de tanta facilidade das redes virtuais, que afetam nossas relações, o diálogo face a face é cada vez mais incomum. Muitos usam os Facebooks da vida para expressar seus desafetos (e/ou afetos) e os conflitos e problemas relacionais podem estar cada vez maiores, pois a comunicação interpessoal entre nós está cada vez pior.