A fotografia pelos olhos de Paulo Sérgio Calçoni

Fotógrafo são-manuelense realiza trabalho inédito na região

Do seu jardim às mais densas matas e florestas,a natureza se faz presente em todos os lugares, ofe- recendo aos fotógrafos um assunto extremamente rico em cores, formas e texturas. Além de paisagens, podemos nos concentrar em explorar os detalhes que a natureza milagrosamente produz a cada dia e que, muitas vezes, passam despercebidos dos olhares humanos, justamente pelo seu tamanho reduzido.

O são-manuelense Paulo Sérgio Calçoni se especializou em uma importante modalidade da fotografiaque consiste em registrar os pequenos objetos, a macrofotografia.

Segundo o fotógrafo, “a Macrofotografia desvê-la as incríveis formas e cores dos insetos, um inteiro mundo de cores, de desenhos, de simetrias, harmonias e contrastes surge aos nossos olhos. Um mundode criatividade que não tem fim”.

Paulo iniciou sua trajetória na fotografia em 1988,onde na ocasião participou de um curso realizado por correspondência através do Instituto Universal Brasileiro. De lá para cá sua curiosidade por fotos não parou. Suas lentes sempre buscam o melhor ângulo.

Em 2008, o aficionado por fotografias participou do curso de Introdução a Fotografia Digital no SENAC e em 2011 realizou um Curso de Técnicas de Fotografia na Vector Informática.

Em 2013, apresentou suas macrofotografias em uma exposição ao ar livre junto com uma feira de artesanatos e depois as fotografias que registram a vida em seu habitat, ficaram a mostra no Museu Pedagógico Padre Manuel da Nóbrega, e em março de 2016, o seu trabalho voltou a ser exposto novamente na Biblioteca Municipal e em outubro do mesmo ano, no mezanino da Unesp, do Campus de Botucatu.

Hoje, Paulo fotografa tudo o que vê pela frente: casas, prédios, paisagens, mas a sua paixão e prefe- rência são os animais, os insetos e a natureza.

A macrofotografia pode abrir um mundo totalmente novo. As fotos acima apresentam a fotografia macro de insetos que podem ser vistos em uma nova luz e com todos os mínimos detalhes. “Nessas andan- ças é necessária muita paciência, perseverança, res- peito à natureza e ao seu ritmo. Eles são fascinantes, coloridos, bonitos. É realmente um mundo à parte,feito com muito amor e dedicação”, finaliza o fotógrafo Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *