Por Gildo Sanches – MTB 35.907 pontodevista@odebateregional.com.br

Edição 581 de 06/10/2017

Ponto de Vista: Adriano Penteado

 

O exemplo de vida de Adriano Penteado, mostrado nesta entrevista, nos dá a plena convicção de que o esporte ajuda (e muito) na melhoria de vida das pessoas. 

Personal Trainer, Técnico de Atletismo e atleta de carreira. Esse é Adriano Penteado, também conhecido como “O Mito”. Aos 40 anos já fez (e faz) muito pelo esporte são-manuelense e nacional. Foram centenas de premiações, entre elas foi o 1° são-manuelense a ser campeão dos Jogos Abertos do Interior, tem 12 participações no Troféu Brasil, Pentacampeão Paulista, Campeão corrida Nike Pão de Açúcar, bicampeão sul-americano de Atletismo nas provas de 1.500 e 3.000 metros e 5° colocado no Campeonato Mundial de Atletismo. E claro, foi o nosso representante em carregar a Tocha Olímpica em 2016, quando a mesma esteve por nossa região. 

Filho de Sebastião Penteado e de Maria Aparecida Conde Penteado, Adriano é casado com Patrícia Fernanda Machado, com quem tem o filho Heitor, de 3 anos.

O exemplo de vida de Adriano Penteado, mostrado nesta entrevista, nos dá a plena convicção de que o esporte ajuda (e muito) na melhoria de vida das pessoas. Não somente na área da saúde, mas também na criação da responsabilidade dos nossos jovens. Acompanhe...

Jornal O Debate: Conte um pouco sobre sua vida profissional antes do atletismo.

Adriano Penteado: Na verdade não tive vida profissional, pois ingressei no atletismo aos 13 anos.

Jornal O Debate: Como começou no atletismo?

Adriano Penteado: Foi algo até meio engraçado. Meu técnico foi substituir o professor de Educação Física na escola em que eu estudava e convidou dois amigos, um por ser forte e outro por ser mais veloz e eu fui de contrapeso. Chegando no horário marcado, além de estar como um “intruso”, fui com chinelos de dedo e o técnico do atletismo não me deixou treinar e pediu para que eu fosse buscar o tênis na minha casa. Meio constrangido fui e quando retornei, ele não acreditou que havia feito o trajeto correndo, duvidando até, dizendo que eu tinha pego uma carona. Após várias insistências, o convenci que havia feito o percurso correndo e essa distância era de 1.500 metros, do poli esportivo até a minha casa. Após esse dia me especializei nessa distância que venho competindo até hoje.

Jornal O Debate: Como percebeu que o atletismo, competindo ou como professor, seria a sua profissão?

Adriano Penteado: Ingressei no atletismo em 1990, mas até 1993 levava muito na brincadeira. Passei em um teste no centro de excelência no Ibirapuera, em São Paulo, mas desperdicei a oportunidade. Voltando de São Paulo vivi um verdadeiro inferno astral, fui convidado a me retirar de três escolas, estava fazendo uso abusivo de álcool e atos sistemáticos de indisciplinas. Foi aí que em uma virada de ano 93/94 fiz uma promessa que a minha vida tomaria um rumo muito diferente, treinando em dois períodos, seguindo uma linha disciplinar e preterindo tudo que era nocivo na minha vida. Já nesse ano de 1994 fui convocado para disputar o Campeonato Brasileiro de Atletismo. Já como técnico foi um caminho muito mais fácil, o caminho já estava pavimentado para exercer o cargo, apesar de ter me inserido na faculdade mais maduro, achei o momento certo e oportuno.

Jornal O Debate: Conte para os nossos leitores sobre seus troféus e medalhas e porque é conhecido como “o Mito”.

Adriano Penteado: Rsrsrs sobre o Mito foi um apelido carinhoso que recebi de duas pessoas, no qual tenho muita admiração e respeito, João Paulo Cabral e Flávio Ragazzi. No ano de 2012 disputei o Campeonato Mundial Master e fui o melhor sul-americano e o melhor atleta ocidental da prova e nessa linha de me adjetivar soltaram o famoso “mitooooo”. Eu acho que o Flávio colocou e o Cabral proliferou. Sobre os títulos, jogando os confetes e entrando embaixo rsrs se me permitir, foram centenas, muitos: mais de 40 medalhas em Jogos Regionais, 1° são-manuelense a ser campeão dos Jogos Abertos do Interior, 12 participações no Troféu Brasil, Pentacampeão Paulista, Campeão da Corrida Nike Pão de Açúcar e inúmeros títulos em corridas de rua; já na linha Master, Bicampeão Sul-americano de Atletismo nas provas de 1.500 e 3.000 metros e 5° colocado no Campeonato Mundial de Atletismo.

Jornal O Debate: Qual a área do atletismo que mais lhe atrai e por quê?

Adriano Penteado: O atletismo é a coqueluche dos esportes olímpicos, esporte generalista, fascinante e o mais completo. Ficando difícil destacar apenas uma modalidade do atletismo, apesar de ser especialista em provas de resistência, mas também sou apaixonado por provas como saltos, arremessos e velocidade.

Jornal O Debate: Como é sua rotina de trabalho como atleta e professor?

Adriano Penteado: Minha rotina é extremamente trabalhosa, mas tenho muito prazer, pois amo o que faço. Trabalho em três frentes, como Personal Trainer, Técnico de Atletismo e na carreira de atleta. Trabalho das 6h até às 19h30 e após essa carga de trabalho realizo meus treinos.

Jornal O Debate: Como foi carregar a tocha olímpica?

Adriano Penteado: Nossa!!!!!.....Nossa fiquei muito emocionado!!! Difícil descrever, foi tudo mágico, épico, emblemático, foi uma comoção municipal. Desde o primeiro dia que começou a votação, as pessoas vestiram a camisa Adriano Penteado e enviaram histórias maravilhosas a meu respeito. Tudo isso durou alguns meses, onde eu estava: no banco, no mercado, na academia ou no poli, as pessoas me falavam que estavam torcendo por mim. Entrava no meu email umas 15 vezes por dia rsrs para ver se tinha algum comunicado do Comitê Olímpico Brasileiro. Foi no dia 16 de maio de 2016 que recebi a tão sonhada notícia, então foi uma explosão de alegria. E no dia 17 de julho de 2016 foi o momento tão esperado: família, amigos, meu filho, todos ali em um domingo ensolarado... só pensava em representar todos que ali estavam e que me apoiaram. Foram 200 metros maravilhosos, minhas pernas tremiam, no final estendi a Bandeira de São Manuel, pois se não fosse o nosso município não estaria ali!

Jornal O Debate: Quais os seus planos para o futuro?

Adriano Penteado: Como técnico me aperfeiçoar muito mais, pois tenho excelentes atletas em minhas mãos e quero dar suporte a eles, pois temos atletas em nível Nacional em nosso município. Agora, como atleta vou correr o Campeonato Sul-americano do Chile em novembro, tentar realizar em 2018 quatro ou cinco provas de a pronto, para correr o Campeonato Mundial em Málaga, na Espanha. É muito difícil pra mim falar isso, pois estou no fim da minha carreira como atleta, correndo a base de infiltrações e anti-inflamatórios (triste). De manhã é difícil até colocar o pé no chão, tamanha dor nos calcanhares que já passaram por algumas intervenções cirúrgicas, “o atleta morre duas vezes, quando ele abrevia a sua carreira e a morte propriamente dita”.

Jornal O Debate: Você se sente uma pessoa realizada?

Adriano Penteado: Muito, olho para trás e tenho orgulho por tudo que fiz pelo esporte, tanto como atleta, como técnico. Tive derrotas muito amargas e cresci muito com elas, não me lamento, pois isso gerou um crescimento absurdo como atleta e como pessoa, mas hoje seria um sonho ver a pista de atletismo com muitos jovens, pois o esporte é um divisor de águas de muitos cidadãos.

Jornal O Debate: Quais as atividades que a atraem em seus momentos de lazer?

Adriano Penteado: Sou apaixonado por um shopping e ainda mais com a minha família. Amo ir à pizzarias, jogar boliche e dormir com o rádio AM ligado no meu ouvido, adoro desde criança.

Jornal O Debate: O que tem a dizer sobre as responsabilidades que envolvem o cidadão no mundo atual?

Adriano Penteado: O cidadão deve ser informado, ativo, exigente e participativo. Cada cidadão deve procurar ter uma opinião fundamentada da forma como a sociedade está organizada e procurar dar o seu contributo para a construção de uma nova sociedade, que vá para além da sua própria atividade profissional, participando, também em projetos coletivos. Temos que ser uma sociedade que valoriza e responsabiliza o cidadão, que garante à partida uma igualdade de oportunidades, assente numa educação de base de qualidade para todos, que está presente solidariamente sempre que tal for realmente necessário, sabendo criar oportunidades para os cidadãos, por forma a que estes se realizem pessoal e profissionalmente. É esta nova sociedade que os cidadãos devem exigir e para a qual devem contribuir através do seu próprio papel. 

Jornal O Debate: O que você diria para os jovens de hoje? 

Adriano Penteado: Não podemos deixar de colocar o dedo na ferida. Sinto os jovens de hoje em dia muito distantes da geopolítica e de assuntos do próprio interesse. Mas vejo algumas exceções, esses com capacidades de enxergar o quão são importantes na sociedade, pois são eles nossas esperanças para convivermos em um país altruísta e igualitário. Bebendo da fonte do atletismo, sempre falo para os meus atletas: possivelmente não ficará rico no atletismo, mas vai ofertar muitas outras coisas, crescimento cultural, educacional, disciplina (as empresas gostam de contratar atletas, pelo comprometimento e dedicação), conhecer lugares e pessoas fantásticas, prestígio, e outros valores agregados! 

Jornal O Debate: O que é São Manuel para você?

Adriano Penteado: Nasci em São Paulo e com 7 anos vim morar em São Manuel, aos 13, por motivos de indisciplina, fui conduzido a praticar atletismo....não escolhi nem morar e nem correr por São Manuel, apenas tive muita sorte.

Jornal O Debate: Fique à vontade para fazer suas considerações finais ou acrescentar algo que lhe interesse.

Adriano Penteado: Sinto-me extremamente lisonjeado com a forma com que a população tanto me acalenta, não tenho palavras para agradecer a manifestação de carinho que é dada a mim. Muitíssimo obrigado e um beijo no coração de todos. Agradeço ao Jornal O Debate e à Rádio Clube de São Manuel AM 1.510 por mais essa chance de me expressar.

Central São-manuelense de Comunicação – Jornal O Debate, Rua Cel. Rodrigues Simões, 69
Centro – São Manuel – SP, Telefones (14) 3842.3637 / 3841-4459 – contato
Desenvolvimento e Hospedagem: TeraQualy